Helena

Homem de posse e bem visto por todos, o Conselheiro Vale falece logo no início do romance, deixando, acreditava-se, apenas dois herdeiros: seu filho Estácio e sua irmã Úrsula. Um dia depois do enterro, porém, Dr. Camargo, que além de médico era um velho amigo da família, conversa com Estácio e Úrsula sobre um possível testamento deixado pelo Conselheiro. Ambos desconheciam o documento, mas se põem a procurá-lo e terminam por encontrá-lo.

No dia seguinte o documento é lido, revelando-se, assim, o maior segredo do Conselheiro Vale: ele tivera uma filha fora do casamento, chamada Helena, incluída em seu testamento como herdeira legal, e que ele gostaria que fosse aceita como parte da família. Úrsula, que nunca soubera do relacionamento extraconjugal do irmão, fica espantada com a notícia e rejeita complemente a ideia de levar Helena para a casa da família, mas Estácio resolve atender o último desejo de seu pai e leva a moça para morar com ele e sua tia em Andaraí.

Bastante sociável, aos poucos Helena vai conquistando não apenas os familiares e amigos da família, mas também a própria tia Úrsula, que cede de vez aos encantos da sobrinha quando esta começa a cuidar dos afazeres da casa e de sua saúde, já bastante debilitada. Helena só não consegue conquistar a confiança do Dr. Camargo, que não se rende à simpatia da moça.

Algum tempo depois da chegada de Helena, Dr. Camargo convida Estácio a se envolver com a política. O jovem, de início, fica um pouco receoso, mas acaba vendo aí uma possibilidade de se aproximar de Eugênia, filha do Dr. Camargo, e acaba por aceitar sua proposta. Helena incentiva o irmão a se declarar para a moça, mas lhe falta coragem para tanto.

Certo dia, Estácio vê Helena receber uma carta e suspeita que a irmã também tenha um admirador, fato que não o agrada muito. Pressionada, a moça confessa que ama muito um homem, mas não dá muitas explicações ao irmão.

No dia do aniversário de Estácio, Helena lhe dá de presente um quadro que ela mesma havia pintado, cujo cenário perturba-lhe um pouco: um velho casebre com uma bandeira azul que os dois haviam visto há algum tempo durante uma cavalgada. Naquela oportunidade, Helena questionara o irmão se haveria algum morador na pequena casa, mas, sem descobrir nada, os dois acabaram indo embora.

À noite, durante a festa de aniversário de Estácio, Dr. Camargo confessa a Helena sua vontade de ver a filha casada com o jovem, e, sabendo das visitas da moça à casa da bandeira azul, resolve chantageá-la: se Helena não o ajudasse a aproximar Estácio de Eugênia, ele revelaria à família seu segredo. Pouco tempo depois Estácio e Eugênia ficam noivos.

Com a doença que acomete uma tia de Eugênia, ela e seus familiares viajam para visitá-la. Para Estácio é um sacrifício ficar longe de Helena, mas, a pedido de sua noiva, acaba seguindo viagem também.

Durante a ausência do irmão, Helena aceita o pedido de casamento de Mendonça, um velho amigo de Estácio, que fica sabendo da notícia e volta imediatamente para Andaraí. Estácio tenta fazer a irmã desistir do casamento, mas ela mantém sua palavra, mesmo sem amar Mendonça, e Estácio acaba aceitando a ideia do casamento.

Quando o romance já parece caminhar para o fim, Estácio, que saíra para caçar, flagra Helena saindo da casa da bandeira azul na companhia de um homem. Intrigado, ele corta sua própria mão para ter uma desculpa para se aproximar do casebre a fim de investigar melhor o que estava acontecendo. Lá chegando, Estácio é recebido por um senhor chamado Salvador, que o ajuda com o machucado enquanto os dois conversam. Durante a conversa, Estácio descobre toda a verdade: a mãe de Helena se separara de Salvador para ficar com o Conselheiro Vale, e este, acreditando que o verdadeiro pai de Helena havia falecido, acabara adotando a menina. Helena, portanto, não era sua meia-irmã. Depois da morte do Conselheiro, Salvador voltara a ver a filha, que imediatamente quis revelar a verdade a todos, mas ele lhe pediu que mantivesse o segredo e continuasse morando na casa de Andaraí.

Perturbado com a revelação, Estácio procura o padre Melchior, uma espécie de conselheiro sentimental, que conclui que o ciúme de Estácio era fruto de seu amor por Helena. De fato, Estácio a amava, mas agora sentia também raiva em razão da mentira que acabara de descobrir. Helena, que, por sua vez, também amava Estácio, fica extremamente envergonhada com a descoberta.

Enquanto Estácio decide que atitude tomar, o casamento de Helena e Mendonça vai se aproximando. Antes do dia da cerimônia, porém, Helena adoece gravemente. Preocupado com a saúde da moça, Estácio procura Salvador, mas não o encontra e passa a cuidar sozinho de sua amada.

Com a aproximação dos dois, Estácio acaba revelando a Helena todo o seu amor, dando-lhe o primeiro beijo. A jovem, contudo, vem a falecer, fazendo com que a solidão se abata sobre todos na casa, especialmente sobre Estácio, que, sem seu verdadeiro amor, acaba se casando com Eugênia.