O que é o Fies?

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa federal de financiamento de estudos de graduação. O empréstimo é concedido a estudantes que desejem cursar o terceiro grau em alguma das instituições de ensino superior privadas.

Criado em 1999, durante o governo Fernando Henrique Cardoso, o Fundo Fies é um programa do Ministério da Educação (MEC) destinado a conceder financiamento a estudantes que não tenham condições de arcar com as despesas de uma universidade particular. O Fies é operacionalizado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

O financiamento, diferente do ProUni, não é uma bolsa, e sim um empréstimo que o estudante deve pagar. As parcelas começam a ser cobrados depois que a(o) profissional se formar.

P-Fies

Enquanto o Fies é um programa de concessão de financiamento que usa recursos federais, o P-Fies é uma espécie de parceira com bancos privados. O objetivo é o mesmo, mas no P-Fies cada banco e cada universidade podem ter critérios contratuais diferentes. Confira bem os detalhes se optar pelo P-Fies.

Para distinguir os dois, os editais referem-se ao Fies que usa recursos integralmente públicos como FiesSeleção. O P-Fies é sempre chamado de P-Fies.

Quem pode se inscrever

Podem se inscrever para o Fies e o P-Fies estudantes que tenham realizado o Enem, em qualquer edição a partir de 2010. É preciso ter tido média aritmética das áreas de conhecimento superior a 450, e não ter zerado a redação.

Os futuros universitários também precisam ter renda bruta familiar máxima de três salários mínimos por pessoa. Quem tiver essa renda entre três e cinco salários mínimos pode aplicar apenas para o P-Fies.

Quem for sozinho e não tiver outras pessoas no grupo familiar precisa ganhar pelo menos um salário mínimo e ser capaz de se sustentar e pagar os encargos mensais dos estudos com a própria renda. Quem tiver renda familiar per capita inferior a um salário mínimo não pode se inscrever.

Profissionais que já tenham uma graduação podem se inscrever para o Fies e o P-Fies para financiar um segundo curso superior.

Estudantes que já tiraram financiamento e estão inadimplentes não podem pedir novo empréstimo. Quem tiver dívidas com a Creduc e quem já tiver um financiamento também não pode se inscrever.

Como se inscrever

Para se inscrever no Fies o estudante deve acessar o site oficial do FiesSeleção e clicar em “primeiro acesso”. O login é feito com o CPF e a data de nascimento. Apenas depois disso é que o sistema gera uma senha para o aluno.

A senha e o link para ativação do cadastro são enviados por email. Depois de concluída a ativação, o estudante retoma ao site oficial e clica em “Já sou cadastrado”.

O MEC alerta que, ao preencher as informações de inscrição, o estudante deve ficar bem atento às mensagens de alerta do sistema. Mensagens vermelhas indicam que os dados preenchidos não estão de acordo com os critérios do Fies para  concessão de financiamento.

É permitido, durante o período de inscrições, alterar a preferência quantas vezes quiser. A última opção selecionada é que será validada no processo.

Percentuais de financiamento

O Fies e o P-Fies oferecem financiamento parcial da graduação. Os percentuais dependem da instituição e do curso, e também são influenciados pela renda familiar da estudante ou do estudante.

A fórmula considera o valor mensal da coparticipação (veja abaixo os detalhes) e também o valor do curso em vista em relação à renda familiar.

f=100% -{ [(16% + 0,02%*RFPC)*RFPC + a*m] / m}*100%

O valor se “a” na fórmula depende da avaliação da universidade pelo MEC. Exceto para o curso de Medicina, as instituições podem cobrar os seguintes percentuais, de acordo com sua avaliação (CC):

  • CC 5 = 1,5%
  • CC 4 = 3%
  • CC 3 = 4,5%

Para os cursos de Medicina, os percentuais são de:

  • CC 5 = 0,5%
  • CC 4 = 1%
  • CC 3 = 1,5%

Nota de corte

Assim como no Sisu e no ProUni, os financiamentos são concedidos a quem preencha os requisitos e tenha, na classificação final, as melhores nota do Enem. O Fies aceita notas a partir da edição de 2010 do Enem.

Também como nos demais programas, o Fies divulga, do segundo ao último dia, as notas de corte parciais de cada curso e instituição. São apenas para consulta e não tem valor determinante, uma vez que variam de acordo com as pessoas que estão se inscrevendo e/ou alterando a inscrição para determinando curso e instituição.

Lista única

A lista única do Fies beneficia, de acordo com a nota do Enem, quem não tem graduação e nunca recebeu financiamento. Quem já recebeu empréstimo e quem já tem graduação tem chances, mas depois.

Quem aplicou apenas para o P-Fies, além desses critérios, também depende de ter o empréstimo pré-aprovado pelo banco que vai fazer o financiamento doa estudos.

Financiamentos em 2019.1

O Fundo de Financiamento Estudantil recebe inscrições entre 7 e 14 de fevereiro de 2019. As inscrições são realizadas no site oficial do Fies.

A lista dos pré-selecionados para os financiamentos do primeiro semestre de 2019 tem previsão de sair em 25 de fevereiro para a lista única do Fies. A complementação é feita de 26 de fevereiro a 7 de março.

A pré-seleção do P-Fies deve sair em também em 25 de fevereiro.

Lista de espera

O Fies também tem lista de espera. Todos os inscritos que não forem pré-selecionados são incluídos na lista de espera.

Os pré-selecionados da espera são divulgados em diferentes datas entre 27 de fevereiro e 10 de abril. Os estudantes precisam ficar muito atentos, pois têm apenas 5 dias úteis para fazer a complementação, a partir da data em que são informados da pré-seleção.

ProUni

Quem tem bolsa integral do ProUni não pode se inscrever para outro curso nem outra instituição pelo Fies.

Quem recebe bolsa parcial do ProUni pode tentar o Fies para pagar a metade do valor que não é coberta pela bolsa. Os critérios estão detalhados no Edital n° 01 da SESu, de 2 de janeiro de 2019.

Pagamentos

O Fies e o P-Fies cobrem alguns dos custos da graduação, mas outros ficam a cargo dos estudantes.

Coparticipação

A coparticipação é o valor que o estudante paga, mensalmente, direto ao banco. Refere-se às despesas que não entram na conta do financiamento.

Amortização

Após a conclusão da graduação, o recém-formado começa a pagar as prestações do empréstimo estudantil. Esse processo é chamado de amortização.

Não há regras fixas, uma vez que, segundo as regras, o profissional paga de acordo com a sua realidade financeira, isto é, paga um percentual em relação ao salário que recebe. Quem não tem emprego começa pagando a taxa mínima.

Juros

Segundo os critérios do Fies no primeiro semestre de 2019, os financiamentos do FiesSeleção (Modalidade I) terão taxa real de juro zero.

Assine nosso Curso Completo

Opções de pagamento no cartão de crédito ou no boleto, em até 12x! Experimentar 7 dias