Veja 5 conectivos que você pode usar para aumentar sua nota na redação

Talvez você já ouviu falar que os conectivos podem elevar, e muito, a nota da redação. E isso é verdade: o uso dos nexos, como também são chamadas essas palavras e expressões, ajudam o texto a ficar mais “amarrado” — ou coeso, como é mais comum dizer.

Quando se fala em coesão, a ideia é que uma frase se conecte com a outra e o texto todo faça mais sentido. Quando falamos com as pessoas, fazemos isso automaticamente, então já comece essa leitura sabendo: você já sabe como fazer isso.

Prepare-se para o Enem 2019!

Receba aulas, dicas e temas de redação para a próxima prova

* preenchimento obrigatório
 

Plano de Estudos para o Enem 2019

Saiba o que estudar a cada semana em uma agenda organizada e fácil de usar. Mais fácil que isso, só a agenda do tempo de colégio 😉 Veja o cronograma

Você sabe português

Estudantes costumam dizer que “não sabem português“. Ora, se você conversa com as pessoas ao vivo ou pelo celular, se posta nas redes sociais e lê o que os outros escrevem, então você sabe a sua língua! É tudo uma questão de variedade linguística.

São as regras que assustam e dão essa impressão de que você não entende nada. Por isso, reforçamos: é importante que você entenda os conectivos a seguir, não apenas decore-os. A dica aqui é bem simples: associe uma “coisa difícil” com uma palavra fácil, que você já usa todos os dias.

1) No entanto

A expressão “no entanto”, que é irmã do “porém”, indica uma adversidade. Já fez carão? Vamos dizer diferente: significa que não é bem assim.

Quando a gente fala, via de regra, o conectivo favorito da galera é o “mas” – ou o “só que”. No entanto, no texto escrito, variar o uso pode garantir aqueles pontinhos a mais. Veja um exemplo formal, como seria na dissertação, e o mesmo exemplo como se fosse uma pessoa conversando com a outra:

Dissertação: “A educação é um direito constitucional. No entanto, a falta de infraestrutura adequada impede que muitas crianças tenham acesso à escola.”

Conversa comum: “A lei diz que todo mundo tem direito à educação, só que não tem escola, daí como as crianças vão poder estudar?”

Lembre: após “no entanto” sempre vai vírgula.

Não é assinante?

Estude com a gente!

2) Além disso

Embora nem seja tão complicada, essa locução não é tão usada na maioria da redações. Ela é bem simples: significa que “tem outra coisa”.

Esse conectivo vem em diferentes cores e modelos, porque você pode dizer “além dele/dela”, remetendo a algo que já mencionou, ou “além de [verbo]”, que está super na moda em qualquer estação. Vejamos os exemplos:

Dissertação: “As verbas não chegam às escolas, o que prejudica a manutenção dos prédios e salas de aula. Além disso, há muitos casos de desvio de recursos.”

Conversa: “O dinheiro nunca vem, daí não tem como consertar a escola, as salas. E tem outra coisa, né, a corrupção leva um pedaço da grana que devia ser dos colégios”.

3) Embora

Primo do “no entanto”, o “embora” tem um segundo significado. Além de indicar que tem um “só que” na história, esse conectivo aponta que isso não faz diferença.

É como se aparecesse um problema, mas a gente “passasse por cima” dele. Usar o “embora”, é como dizer “mas tá, né”. Vejamos os exemplos:

Dissertação: “O envolvimento dos pais na vida escolar tem ajudado. Embora isso não isente o governo da responsabilidade, a participação da comunidade tem tido efeitos positivos.”

Conversa: “Quando os pais pegam junto, ajuda, só que daí o governo fica de boa e não faz a parte dele. Mas tá, né, pelo menos alguém ‘tá fazendo alguma coisa.”

Não é assinante?

Estude com a gente!

4) Consequentemente

É um bocado de letras para dizer algo bem simples: “é por isso que”. “Consequentemente” vem de “consequência”, ou seja, a definição formal é de que o conectivo expressa relação de causa e efeito: uma frase está falando de algo que aconteceu por causa (em consequência) do que a outra frase falou.

A importância de um nexo como esse é, em especial, ajudar sua redação a não ficar repetitiva. Na dissertação é muito comum apresentar o problema e a causa dele, o fato e o efeito. Consequentemente, é muito comum usarmos um “por isso” a cada parágrafo. Veja os exemplos:

Dissertação: “O descompasso no acesso à educação reflete-se no diferente preparo que estudantes têm para provas de seleção como o Enem. Consequentemente, ações afirmativas como cotas ajudam a nivelar as oportunidades para todas e todos.”

Conversa: “Não tem como comparar as escolas, tem umas muito boas e umas muito ruins, daí chega no Enem, já viu. Por isso que precisa de cotas, pra todo mundo ter chance igual.”

5) Desse modo

Você conhece o irmão famoso desse conectivo: o “portanto”. E eles têm também um irmãozinho mais novo super tímido, o “assim”. Os três têm uma coisa em comum: eles indicam que você está terminando o raciocínio, como se fosse: “tudo isso pra dizer que”.

Esses nexos conclusivos são ideais para usar, adivinha onde?, na conclusão. Começar seu último parágrafo com “portanto” é um como usar branco no ano novo: todo mundo vai fazer isso. Veja no exemplo como o efeito é o mesmo:

Dissertação da concorrência: Portanto, medidas são necessárias para resolver o impasse”

Dissertação com boa pontuação:Desse modo, é preciso que a sociedade/o governo se posicione quanto à questão.”

Dissertação com pontuação melhor ainda: “É preciso, assim, que a sociedade/o governo se posicione quanto à questão.”

Conversa:Tudo isso pra dizer que não dá pra ficar assim, as pessoas/o governo têm que dar um jeito nisso.”

Uma dica para você ir treinando lembrar desses conectivos é pegar uma história que você contou para alguém e tentar escrevê-la de um jeito formal, como se fosse sua redação. Pode ser qualquer história, só para ir usando os nexos e pegando o jeito.

Você também pode praticar com um dos nosso Temas de Redação! Quem é assinante, além de escrever, pode enviar a redação para correção 🙂

Curtiu esse post? Acompanhe nossas novidades pelo Instagram e pelo Facebook.

Assine nosso Curso Completo

Opções de pagamento no cartão de crédito ou no boleto, em até 12x! Experimentar 7 dias