O que é o Sisu e como ele funciona?

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) é a forma de ingresso que, hoje, a maioria das instituições federais utiliza. No Sisu, a classificação dos candidatos para saber quem foi aprovado é baseada na nota do Enem.

Assim, todas as instituições que usam o Sisu têm a mesma prova – o Enem – aplicada, e as condições são iguais em todos os locais do país. Além disso, fazer listas de espera também é mais fácil com o Sisu. Tire, neste post, todas as suas dúvidas sobre o Sisu!

Prepare-se para o Enem 2019!

Receba aulas, dicas e temas de redação para a próxima prova

* preenchimento obrigatório
 

Plano de Estudos para o Enem 2019

Saiba o que estudar a cada semana em uma agenda organizada e fácil de usar. Mais fácil que isso, só a agenda do tempo de colégio 😉 Veja o cronograma

Como funciona o Sisu

O Sisu usa a nota do Enem, ou seja, só pode se inscrever quem fez o Exame Nacional do Ensino Médio. A concorrência leva em conta a nota e políticas de reserva de vagas, além de ações afirmativas.

O estudante que fez o Enem e tirou nota superior a zero na redação está habilitado a se inscrever. É preciso entrar no site do Sisu, fazer login com o CPF e a senha (a mesma senha do site do Enem) e preencher os campos.

Seleção do curso

A aluna ou o aluno que se inscreve no Sisu pode escolher até dois cursos. Por exemplo: pode selecionar Letras na UFRGS e Medicina na USP, ou Medicina nas duas, ou Medicina como primeira opção e Letras como segunda só que em uma única instituição. Não importa o local nem a diferença dos cursos, mas só há duas opções.

Cada universidade tem seus próprios critérios para usar a nota do Enem. Para um curso, por exemplo, a nota de Ciências da Natureza pode ter peso maior, ou a de Linguagens, etc.

Há casos, também, em que a universidade determina uma pontuação mínima para o estudante se inscrever em um determinado curso. Por exemplo, para tentar Medicina é preciso tirar pelo menos 650.

Você pode ver as situações parciais do cursos e instituições direto no site do Sisu.

Não é assinante?

Estude com a gente!

Classificação

O Sisu permite que qualquer aluno se inscreva para qualquer instituição – dentro das regras da instituição. O sistema fica aberto durante quatro dias para receber as informações dos alunos.

No final de tudo, as notas dos inscritos são ordenadas. Assim, por exemplo, se 1.000 pessoas se inscreveram para Letras na universidade X, as notas são ordenadas da maior para menor. Nessa hora, a conta das áreas que valem mais ou menos – se for o caso, de acordo com cada universidade – já são incluídas.

Aprovação

Com a ordem dos candidatos, as instituições preenchem as vagas. No exemplo acima, se o curso de Letras tinha 100 vagas, os 100 primeiros colocados serão aprovados. Se forem 20 vagas, apenas os primeiros 20 são aprovados.

Além da ordem das notas, vale lembrar que as instituições também têm políticas afirmativas (cotas étnicas ou sociais, por exemplo) e reservas legais (para PCDs, por exemplo). Assim, o número de vagas a serem preenchidas vai levar em conta em qual categoria o aluno se encontra, além da nota do Enem.

Lista de espera

O Sisu divulga, ao final de cada um dos três primeiros dias de inscrições, a nota de corte de cada curso. Ou seja: o último candidato que está entre os aprovados tirou X. Isso ajuda o aluno a saber se tenta se inscrever para uma das vagas – se tiver uma pontuação competitiva em relação à note de corte – ou se busca outra opção.

Quando os resultados são divulgados, os aprovados fazem a matrícula. Quem foi aprovado na segunda opção de curso, pode ficar na lista de espera.

É importante prestar atenção, porque é preciso pedir para ser incluído na lista de espera. O prazo é diferente da inscrição regular do Sisu.

Em 2018, a inscrição para a lista de espera será de 28 de janeiro a 4 de fevereiro, no calendário divulgado pelo MEC.

Não é assinante?

Estude com a gente!

E o ProUni?

O ProUni é um programa voltado a vagas em instituições privadas. Ou seja, se o aluno se matriculou, pelo Sisu, em uma universidade pública e gratuita, não tem o direito de se inscrever no ProUni para uma instituição privada.

Se o aluno foi selecionado nos dois programas, precisa escolher um deles. Assim, por exemplo, se o curso que o estudante realmente deseja o aprovou apenas na universidade paga, ele pode escolher o ProUni em vez de fazer um curso que não lhe agrade tanto na pública. Quem está nessa situação de pré-aprovado do ProUni deve pedir cancelamento da matrícula na universidade pública se quiser o financiamento estatal.

Mas atenção: o MEC alerta que a seleção no ProUni “assegura ao candidato apenas a expectativa de direito à bolsa”. Isso porque ainda é preciso passar por todas as etapas do processo, que envolvem vários critérios, e ser de fato aprovado.

E se não rolou mesmo assim?

Quem não conseguiu ainda a aprovação, ainda tem a chance de tentar se inscrever novamente no segundo semestre. É preciso, claro, verificar se a instituição para a qual você tem interesse está incluída na segunda etapa da seleção unificada.

E, se mesmo assim não der, não se desespere! No final do ano tem outro Enem e você pode tentar mais uma vez. Conhecimento não se perde, hein? 😉

Se você ainda tem dúvidas, pode entrar em contato diretamente com o Sisu pelo telefone gratuito 0800-616161.

Assine nosso Curso Completo

Opções de pagamento no cartão de crédito ou no boleto, em até 12x! Experimentar 7 dias