O que foi o movimento dos Caras Pintadas

Impeachment! Com certeza você já ouviu esse termo por aí, e provavelmente você vivenciou o povo indo às ruas em 2016 gritando “fora Dilma”, certo? Mas o que o Impeachment da Dilma tem a ver com os caras pintadas?

A gente responde: o momento histórico é diferente, mas o contexto é bem semelhante, e é isso que vamos explicar a seguir. Vem com a gente 😉

Prepare-se para o Enem 2019!

Receba aulas, dicas e temas de redação para a próxima prova

* preenchimento obrigatório
 

Plano de Estudos para o Enem 2019

Saiba o que estudar a cada semana em uma agenda organizada e fácil de usar. Mais fácil que isso, só a agenda do tempo de colégio 😉 Veja o cronograma

O Momento Histórico

Depois de 29 anos sem eleição direta, o povo brasileiro foi às urnas em 1989 para eleger um presidente para o país. Mais de 20 candidatos disputaram cargo, e os dois vencedores no primeiro turno foram Fernando Collor de Melo e Luis Inácio Lula da Silva.

Collor venceu o segundo turno com 42,75% dos votos. A posse do novo presidente aconteceu no dia 15 de março de 1990.

Até aí tudo bem. Eleições →  posse → novo governo. Mas a lua-de-mel com o então presidente Collor durou pouco.

O Plano Collor

Logo após a posse, Collor anunciou um plano econômico para tentar conter a hiperinflação da época, que ultrapassava os 1.700% ao ano. O plano foi elaborado pelo próprio presidente e pela ministra da fazenda Zélia Cardoso de Mello.

Uma das medidas tomadas na tentativa de estabilizar a economia foi o confisco do saldo das poupanças bancárias, o que gerou uma grande insatisfação popular. À época, o Plano Collor bloqueou dinheiro de contas bancárias com mais de 50 mil cruzados novos, permitindo movimentações apenas abaixo desse valor.

As medidas do novo presidente, é claro, revoltaram a população. A população empobreceu e, com a queda do poder aquisitivo, empresas foram à falência e o desemprego subiu vertiginosamente. A economia entrou em colapso.

Leia também: História: Dilma foi a sexta presidente que não concluiu o mandato

Corrupção

A recessão na economia se somou aos escândalos de corrupção envolvendo o presidente na época da campanha. Os desvios realizados por Fernando Collor e Paulo César Farias (conhecido como o PC Farias), tesoureiro durante a campanha de Collor, foram denunciados pelo próprio irmão do presidente, Pedro Collor.

Resumindo: Povo sem emprego + povo sem dinheiro + presidente corrupto = revolta popular!

Os  Caras Pintadas

Com tanto desemprego, dinheiro confiscado, esquemas de corrupção e um país à beira do caos, o povo saiu às ruas em protesto.

Em uma última tentativa de acalmar os ânimos da população, Collor discursou em cadeia nacional convocando a população a ir às ruas vestindo as cores da bandeira do Brasil em apoio a ele. O povo foi de fato à rua, mas com a motivação contrária. Em protesto, as pessoas protestaram de preto, e com o rosto pintado de verde e amarelo e com faixas com frases como ““Fora Collor!” (percebeu a semelhança que falamos lá no começo do texto?).

Vem daí o nome do movimento dos caras-pintadas!

O Impeachment

Como consequência, uma série de pedidos de impeachment foram protocolados na Câmara Legislativa. A Câmara dos Deputados aceitou um feito pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e pela ABI (Associação Brasileira de Imprensa), o que possibilitou o início do processo de cassação do mandato. Collor renunciou à Presidência em 1992, antes do impeachment ser efetivado.

O movimento dos caras-pintadas foi um marco histórico para o Brasil. Confira a aula sobre a República Nova para entender melhor o contexto e acertar as questões sobre o tema nas suas provas:

Assine nosso Curso Completo

Opções de pagamento no cartão de crédito ou no boleto, em até 12x! Experimentar 7 dias