Ler o resumo dos livros do vestibular é suficiente?

À medida que a data do vestibular vai chegando, os conteúdos devem ser revisados para que possam ficar frescos na memória na hora da prova. Como o tempo vai ficando curto nesta época do ano, é normal darmos prioridade a algumas matérias. Quando não conseguimos aprofundar o assunto, os resumos acabam virando a única opção.

A Literatura é, disparada, a disciplina em que mais alunos optam por resumos em vez de estudar o conteúdo completo. Isso ocorre porque boa parte das provas cobra a leitura de obras literárias que trazem uma linguagem subjetiva e que exige um método de estudo próprio.

Para captar todos os detalhes, não adianta explicar. É preciso sentar, ler e mergulhar no universo narrativo do livro.

Mas será que ler um bom resumo de livro, com um texto capaz de trazer todos os pontos da obra, não seria suficiente? A resposta entre os professores de Literatura é unânime: não. E o professor tem razão.

O fato é que nada substitui a experiência da leitura. Por mais que você tenha dificuldade de se prender em algumas histórias com linguagens rebuscadas e pouco objetivas, o exercício de ler acaba sendo sempre positivo para o estudo em todas as disciplinas.

Vamos levar em consideração as preocupações do vestibulando. Na maioria das provas, a Literatura representa 10% das questões, e muitas vezes não há uma exigência tão grande quanto em questões de Física e Matemática.

Então por que seria mais vantajoso gastar o precioso tempo lendo toda a obra se há esquemas práticos inclusive na internet que ajudam a absorver o conteúdo? A resposta é simples: ler mais só ajuda.

Perceber as nuances da linguagem

Engana-se quem pensa que se trata apenas de conhecer melhor o enredo. Quem tem uma boa memória e um bom resumo em mãos consegue aprofundar bem nos detalhes da história. A grande vantagem de ler toda a história (além de, é claro, acompanhar a linha de raciocínio do narrador) é a possibilidade de conseguir perceber as nuances da linguagem.

Os vestibulares costumam perguntar o que o livro diz sobre ele mesmo, e isso só pode ser descoberto por meio da ideia das palavras e dos pontos de vista que a própria narrativa pode apresentar. Em outras palavras, a leitura completa vai garantir que questões de interpretação de texto (tanto sobre os livros quanto sobre outros temas relacionados) sejam respondidas sem margem de dúvidas sobre seu significado.

Ler mais para ler melhor

Outra vantagem de quem dedica suas horas nas leituras obrigatórias em vez de optar por resumos é o desenvolvimento da habilidade de leitura. A capacidade de concentração e de compreensão de texto são resultado de um exercício contínuo e sistemático.

Como resultado, o vestibulando consegue entender mais rápido outras questões, ganhando tempo na identificação dos problemas.

Melhorar a redação

Quem lê todas as obras, de quebra, aumenta seu repertório para a redação. As leituras obrigatórias podem ser o melhor exercício para aprimorar o vocabulário, os argumentos e as construções frasais.

Indo um pouco além, como a leitura mostra outras visões sobre um mesmo fato, o aluno pode alargar sua visão de mundo e trazer pontos mais maduros para o texto. E pode ter certeza que esse alargamento da sensibilidade vai fazer bem não apenas para a sua nota, mas também para a sua vida.


Leia também:

> Os 10 livros que todo vestibulando deve ler
> Como se preparar para o Enem 2016 desde já
> O que fazer na véspera da prova?