Coreia do Norte: Que país é esse?

No nordeste do continente asiático, um pequeno país banhado pelo mar do Japão vem preocupando o mundo. Trata-se da Coreia do Norte, a mais fechada das nações do planeta, que volta e meia aparece com uma medida polêmica que vai na contramão da diplomacia. Não sabe exatamente onde fica a Coreia do Norte? Toma este mapa que mostra suas fronteiras:

A Coreia do Norte não é o tipo de assunto que, sozinho, cai em uma questão do vestibular, mas sua história ajuda a explicar um pouco o cenário geopolítico e as rixas entre alguns países.

A Coreia do Norte hoje

Vamos começar lembrando o último acontecimento envolvendo a Coreia do Norte para você entender por que devemos ficar de olho nela. Em 2016 o governo norte-coreano publicou um vídeo anunciando que fez um novo teste bem sucedido de uma bomba de hidrogênio, o quarto experimento desse tipo no país desde 2006. A lista completa dos outros três testes estão neste link.

O termo bomba de hidrogênio não está em negrito por acaso. O artefato pode ter o poder de até 50 bombas atômicas, que são aquelas que foram usadas durante a Segunda Guerra Mundial nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, matando cerca de 200 mil pessoas. Recentemente publicamos um texto explicando por que esse tipo de dispositivo destrutivo nunca mais foi usado em conflitos.

Testes como este são, por si só, uma ameaça para a humanidade. Vindo de um país como a Coreia do Norte, são também uma tentativa de demonstrar sua força bélica e intimidar potências mundiais – a maioria delas com relações diplomáticas quase que inexistentes com o governo norte-coreano. Para entender como isso chegou a esse ponto, vamos lembrar a história recente do país.

Onde tudo começou?

A relação ruidosa com vários países do mundo não é de hoje. Até a Segunda Guerra Mundial, Coreia do Norte e Coreia do Sul eram um único território, a Coreia. Na esteira da bipolarização por conta da Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética alimentaram tensões internas na região, o que levou à Guerra da Coreia em 1950. No conflito, os EUA ficaram do lado sul-coreano, enquanto a União Soviética e a China defenderam a Coreia do Norte, que teve sua infraestrutura destruída após o conflito.

Desde o fim da União Soviética e a reaproximação da China com os Estados Unidos, a Coreia do Norte, considerada por especialistas uma ditadura totalitarista stalinista por seguir a linha política do líder soviético Joseph Stalin (se você não sabe quem ele é, leia este artigo), tem sofrido um embargo econômico por conta de sua insistência em testes nucleares, como esse no início de 2016.

Mas por que a Coreia do Norte insiste nesse tipo de ação?

O líder norte-coreano Kim Jong-Un afirmou em comunicado oficial que o teste foi um ato de “autodefesa” sem o objetivo de provocar outras nações. A intenção, segundo ele, é manter a soberania do país na região da península coreana. Eles também afirmam que se trata de uma reação diante da boa relação entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos – que, segundo o governo norte-coreano, são uma “ameaça imperialista”. O evento intensificou a tensão entre as Coreias do Norte e do Sul, que desde o final da Guerra da Coreia em 1953 ainda não assinaram um acordo de paz.

Resta-nos saber se, de fato, o objetivo deles com os seguidos testes é de “autodefesa”. Se houver segundas intenções por parte de Kim Jong-Un, o risco de uma guerra de grandes proporções é real. Ficaremos de olho!