Conheça os principais fatos da história política do Brasil

Um dos temas mais cobrados do Enem é a história política Brasil. Mas o que será que isso significa?

Política não é sinônimo de partido, comecemos por aí. Essa política a que a prova se refere corresponde ao âmbito administrativo e governamental, ou seja, a quem comanda o país e às decisões que o Executivo nacional toma sobre os rumos da nação.

Prepare-se para o Enem 2019!

Receba aulas, dicas e temas de redação para a próxima prova

* preenchimento obrigatório
 

Plano de Estudos para o Enem 2019

Saiba o que estudar a cada semana em uma agenda organizada e fácil de usar. Mais fácil que isso, só a agenda do tempo de colégio 😉 Veja o cronograma

Interdisciplinar

Vale destacar, antes de mais nada, que história política não é assunto só de História. Também engloba Atualidades, Geografia, Filosofia e Sociologia — ou seja, as Ciências Humanas.

É importante ter em mente, ainda, que na estrutura de gestão do Brasil, embora os poderes sejam independentes, eles se relacionam de maneira próxima. O Executivo em muitos momentos interferiu no Legislativo, como quando o congresso foi fechado durante os governos totalitários de Getúlio Vargas e da ditadura militar, por exemplo.

Formas de governo

Hoje, o Brasil é uma república federativa presidencial. Isso significa que tem um(a) presidente(a) como chefe da União e governo, eleito(a) por cidadãos de todas das unidades federativas. Essas UFs são os estados, onde os cidadãos também elegem os representantes do Legislativo, que têm independência de gestão em relação ao governo nacional.

Em outras palavras, enquanto república, temos governantes que atuam (ou deveriam atuar) como representantes dos interesses coletivos da população. Mas nem sempre foi assim.

Não é assinante?

Estude com a gente!

 

O Brasil iniciou sua “vida” como colônia de Portugal, ou seja, era um território dependente da metrópole na Europa. A partir da ocupação do nosso território, a administração era feita pelo governador geral, que respondia à coroa portuguesa. Lembre-se: Portugal nessa época era uma monarquia.

Após a independência do Brasil em 7 de setembro 1822, duas mudanças ocorreram: primeiro, deixamos de ser “um pedaço” para ser um “todo”, um país; depois, saímos da monarquia para o Império.

Ao final do segundo reinado, que apesar do nome ocorreu no período do Império, e com o desgaste do imperador Dom Pedro II, revoltas eclodiram por todo o país. Orquestrado pelas elites e pelo recém consolidado Exército, um golpe derrubou o Império e instaurou a República em 15 de novembro de 1889. Essa é a forma de governo no Brasil desde então.

Governantes

Um aspecto bastante abordado nas provas do Enem e dos vestibulares diz respeito a quem eram e são as pessoas que lideram a administração do país. Como já vimos, lá no início tínhamos um rei português que supervisionava o trabalho do governador geral.

Com a ocupação do território, a população brasileira expandiu. Era, então, essencialmente composta dos povos originários (indígenas), dos escravos negros trazidos da África, e de portugueses. Uma vez ocupado o Brasil, as gerações de brasileiros – isto é, nascidos aqui filhos de pais também nascidos deste lado do Atlântico – começou a tomar corpo.

Não é assinante?

Estude com a gente!

 

Do ciclo do açúcar formou-se a primeira elite verde-amarela, formada pelos senhores de engenho. Ela se somou à elite portuguesa que fizera do Brasil sua casa, mantendo aqui os benefícios e o status que tinham do lado de lá do oceano.

Essa elite engrossou suas fileiras com o dinheiro do ciclo do ouro. E, já maior, ganhou poderio para bancar a briga com a coroa portuguesa, o que resultou na independência.

A mesma elite que apoiou a ida de Dom Pedro I às margens do Ipiranga foi ficando insatisfeita com a administração imperial, agora nas mãos de Dom Pedro II. Mais rica após o ciclo do café, essa elite viu na abolição da escravatura, em 1888, a “gota d’água”.

Como a coroa portuguesa, o imperador (que na verdade também era da família real) foi retirado do comando do Brasil. Era uma vez um Império: começa a República.

República e seus golpes

A era republicana brasileira começa com a República da Espada, em que os governantes eram membros Exército que ajudou a derrubar o imperador. Depois a chamada república do “café com leite”, uma referência à alternância de poder entre políticos de São Paulo (café) e Minas Gerais (leite). O período é conhecido também como República Velha.

Não é assinante?

Estude com a gente!

 

Quando o café escanteou o leite, abriu portas para o que veio a ser a Revolução Constitucionalista, que deu um golpe e colocou o gaúcho Getúlio Vargas como chefe do governo provisório. Vargas foi depois eleito indiretamente, em 1934, e em 1937 deu outro golpe, iniciando a fase ditatorial de seu governo.

O fim do Estado Novo, em 1945, marca o início da República Liberal, com presidentes eleitos democraticamente. Dezenove anos depois, em 1964, tem-se novo golpe e inicia o período da Ditadura Militar. A redemocratização veio em 1985, iniciando o período atual, a República Nova, sob a égide da Constituição Federal de 1988.

Para fazer um cartão de estudos

  • Colônia – território de Portugal – governador geral que respondia ao monarca português
  • Império – com membros da família real Dom Pedro I e Dom Pedro II no poder
  • República
    • da Espada – com militares no poder
    • Velha – café com leite (eleitos presidentes de SP e MG)
    • Era Vargas – governo provisório, mandato democrático e totalitarismo de Getúlio Vargas
    • Liberal – presidentes eleitos
    • Ditadura Militar – totalitário e com militares no poder
    • Redemocratização – período atual, com presidentes eleitos e sob a Constituição Federal de 1988

Assine nosso Curso Completo

Opções de pagamento no cartão de crédito ou no boleto, em até 12x! Experimentar 7 dias