Brumadinho: uma tragédia que pode virar tema de redação do Enem

Um dos piores pesadelos ecológicos do Brasil nas últimas décadas, o desastre ambiental de Mariana (MG), ganhou uma sequência ainda mais trágica em 2019: no dia 25 de janeiro, o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, também em Minas Gerais, deixou um rastro de mortes e lama.

A barragem da mineradora Vale na região do Córrego do Feijão teve o rompimento informado à Secretaria do Estado de Meio-Ambiente às 13h37 de 25 de janeiro, segundo o G1. Na manhã de 4 de fevereiro, o número de mortos chegava a 121, com 205 pessoas ainda desaparecidas.

Prepare-se para o Enem 2019!

Receba aulas, dicas e temas de redação para a próxima prova

* preenchimento obrigatório
 

Plano de Estudos para o Enem 2019

Saiba o que estudar a cada semana em uma agenda organizada e fácil de usar. Mais fácil que isso, só a agenda do tempo de colégio 😉 Veja o cronograma

 

Em 2015, no rompimento de Mariana, os dejetos oriundos da mineração de ferro arrasaram mais de 500 quilômetros da bacia do rio Doce. A reprise do desastre, que dessa vez atinge o Rio Paraopeba – parte da bacia do Rio São Francisco –, tem grandes chances de aparecer na prova. Além das questões assertivas, o tema pode aparecer na redação.

Reprise do desastre

Na tragédia de Mariana, duas barragens romperam, liberando 43,7 milhões de metros cúbicos de rejeitos. Em Brumadinho, o número divulgado pela Vale é de 12 milhões de metros cúbicos.

Há três anos, a enxurrada de lama matou 19 pessoas; agora, a contagem já bate na casa das 121. Uma boa parte das vítimas eram funcionárias da própria vale: dos 427 colaboradores, 279 foram resgatados com vida. As vítimas também incluem moradores da região.

A forma como os rejeitos da mineração de ferro eram contidos em Brumadinho, segundo especialistas, é a mais barata que há. A mineração a seco, recomendada em termos de segurança, aumenta os custos de extração – essa matéria do G1 explica em detalhes as diferanças.

Vista área da região atingida pelo rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, MG -- Foto: Isac Nóbrega, PR, Divulgação

Resgate e cheia do Paraopeba

Além do Corpo de Bombeiros, primeiro a atuar na área de resgate, a região recebeu, militares de Israel, equipes da Cruz Vermelha e especialistas de diferentes órgãos e organizações. Somadas, as pessoas trabalhando em Brumadinho ultrapassavam 350 pessoas empenhadas na tentativa de resgate, durante os primeiros dias da tragédia.

No domingo após o desastre, dia 27 de janeiro, as buscas foram suspensas durante a tarde por risco de rompimento de uma segunda barreira. Quando o risco diminuiu, as buscas foram retomadas. Agora, mais de uma semana depois, a procura é pelos corpos, já que há mínimas chances de encontrar pessoas com vida sob o mar de lama, que já começa a secar.

Uma estrutura de contenção de rejeitos foi instalada no Rio Paraopeba no dia 2 de fevereiro. Havia risco de o rio subir bruscamente. Além do nível da água, a qualidade dela também preocupa, uma vez que o rio abastece um terço da região de metropolitana Belo Horizonte, segundo o G1.

Além da apreensão com a bacio do rio São Francisco, os olhares se voltam para a Mata Atlântica da região da Serra Dois Irmãos, por onde a lama está descendo. Existe uma grande preocupação com a fauna e a flora do local.

Plano de Estudos para o Enem 2019

Saiba o que estudar a cada semana em uma agenda organizada e fácil de usar. Mais fácil que isso, só a agenda do tempo de colégio 😉

Veja o cronograma!

Responsabilização

As polícias Federal e Civil informaram investigam o rompimento da barragem da Brumadinho. No dia 29 de janeiro, três funcionários da Vale e dois da empresa TÜV SÜD (que inspecionou a segurança da Mina do Feijão) foram presos por suspeita de fraude em documentos da barragem.

No caso da barragem de Mariana, um processo aberto em 2016 contra a Vale, a britânica BHP Billings e a Samarco (mineradora controlada pelas duas), além de 22 pessoas foram processadas, mas até o final de 2018, segundo G1, os réus não haviam ainda sido julgados.

A Agência Nacional de Mineração, em conjunto com a Fundação Estadual do Meio Ambiente e a Defesa Civil iniciaram, no dia 2 de fevereiro, a vistoria de outra barragem, em Itabirito, na porção central de Minas Gerais. A barragem Vargem Grande é uma de 40 instalações classificadas como de “alto risco”, como era a de Brumadinho. A Vale anunciou que vai parar as nessa e em outras quatro barragens no estado, visando descomissioná-las (encerrar o funcionamento) – a decisão existe de 2016.

Quatro dias após a tragédia em Brumadinho, a Vale havia recebido três bloqueios de recursos, um total de R$ 11 bilhões. O valor seria destinado ao atendimento às vítimas (R$ 6 bilhões) e à reparação dos danos ambientais (R$ 5 bilhões). Adicionalmente, duas multas, somando R$ 349 milhões, foram aplicadas pelo Ibama e pelo governo de Minas Gerais. E esse número pode aumentar.

A Vale diz que vai pagar R$ 100 mil às famílias por cada vítima do desastre. Famílias na zona de impacto receberão R$ 50 mil, enquanto profissionais cuja atividade comercial foi afetada em função da tragédia receberão R$ 15 mil.

Tragédia como tema de redação

Além das questões objetivas, que podem abordar o assunto em conexão com Mariana, o tema de redação pode trazer os desastres como mote. A abordagem vai depender dos textos de apoio e da proposta, mas selecionamos alguns argumentos que você pode usar.

1) Política x técnica

Em ambos os desastres ambientais, especialistas alertam para questões como licenciamento ambiental e fiscalização. Ambos são responsabilidade do governo.

Há quem diga, no entanto, que os favores políticos predominam sobre os aspectos técnicos. Isso significaria que alianças e lobby políticos seriam critérios mais usados do que laudos e perícias de profissionais especializadas(os).

Não é assinante?

Estude com a gente!

2) Economia e Meio ambiente

A união do antigo Ministério do Meio Ambiente com o Ministério da Agricultura deu o que falar na transição para o novo governo. Uma tragédia ambiental como a da Brumadinho – ainda mais tão pouco tempo após o desastre de Mariana – levanta novamente a questão sobre a estrutura necessária para evitar uma (terceira) tragédia.

De um lado, ativistas ambientais argumentam contra a extração, ou por um processo mais controlado. De outro, especialistas em economia falam sobre geração de emprego e renda nas regiões em que empresas como a Vale atuam. A questão da privatização não está fora do quadro.

3) Recursos renováveis

Um aspecto talvez menos óbvio de ambas as tragédias diz respeito à extração de minério de ferro em si. Extração, como o nome já indica, depreende retirar da natureza.

Como na discussão sobre o petróleo, recursos não-renováveis geram embates acerca de alternativas à extração. Além de métodos menos impactantes para o meio ambiente e as populações, as discussões giram em torno de matérias primas e processos que possam ser usados alternativamente.

Cursinho online para o Enem 2019

Assine e tenha acesso a mais de 400 aulas em vídeo sobre tudo o que cai no Enem 2019. São vídeos curtos, que você pode parar, voltar, e ver de novo até entender a matéria. O curso inclui exercícios, simulado e correções de redação!

7 dias grátis!

Temas de redação transversais

Quando se fala em “tema de redação”, é comum os(as) estudantes pensarem que “ninguém nunca vai acertar o tema”. De fato, é a intenção dos formuladores da prova que ninguém mate “na mosca” o que vai ser proposto.

Por isso, é importante que você se mantenha a par das questões de atualidades e busque sempre ter argumentos transversais na manga. No caso das tragédias de Mariana e Brumadinho, pensar no papel do estado, no papel da sociedade civil e no papel da mídia, por exemplo, são caminhos possíveis. E, veja, são argumentos que podem facilmente ser usados para outros temas, como direitos coletivos, mobilidade urbana e porte de armas, para citar apenas alguns.

Tragédias ambientais impactam nas vidas das populações de diferentes maneiras. No caso dos rompimentos de barragens, por exemplo, além das vidas ceifadas pela lama há consequências para a pesca e o abastecimento de água, para o transporte e para a flora e fauna locais. A diversidade biológica, bem como a qualidade do solo podem impactar a economia local de modo diferente. Há, ainda, uma questão de economia global, já que a Vale responde por 70% a 80% das exportações de minério de ferro do Brasil. Pense nesses aspectos de forma global, pois assim a chance de você ter um ás na manga na hora da redação aumenta.

Aqui no blog a gente tem várias dicas, tantos de temas de redação quanto de temas de atualidades para você se manter sempre a par do que está rolando no país e no mundo – e que pode cair no Enem e no vestibular. Você também podem acompanhar nossas dicas no Instagram e no Facebook.

Assine nosso Curso Completo

Opções de pagamento no cartão de crédito ou no boleto, em até 12x! Experimentar 7 dias