5 dicas para entender as obras de arte na prova de Literatura

Muita gente se confunde quando vê uma foto ou um quadro na prova de Literatura do Enem ou dos vestibulares. Ué, não era para ser sobre textos?

Na verdade, arte é arte! A Literatura é uma das manifestações possíveis, mas se relaciona com as outras formas através da temática e do período histórico, por exemplo.

Prepare-se para o Enem 2019!

Receba aulas, dicas e temas de redação para a próxima prova

* preenchimento obrigatório
 

Plano de Estudos para o Enem 2019

Saiba o que estudar a cada semana em uma agenda organizada e fácil de usar. Mais fácil que isso, só a agenda do tempo de colégio 😉 Veja o cronograma

 

Por isso, é importante notar o que imagem e palavra têm em comum quando o assunto é mexer com os sentimentos do público e transmitir uma mensagem. Afinal, de modo até reducionista, esse é o objetivo da arte, não é?

E fazer essa interpretação não é difícil como às vezes parece. Alguns aspectos podem ajudar você a “decifrar” as possíveis relações das artes visuais com as escolas e obras literárias. Confira!

1. Verossimilhança

Essa palavra gigante, verossimilhança, refere-se a algo que parece real, de verdade. Uma pessoa com a pele verde, por exemplo, não é real; por outro lado, alguns quadros parecem que são fotografias!

Desconstruir o que normalmente se chamaria de “real” é característica de algumas escolas. Assim como ser super fiel aos objetos do mundo é característica de outras. No meio do caminho, por assim dizer, temos a idealização das coisas do mundo: quando elas são retratadas perfeitas, porém na vida não são exatamente assim.

2. Formas e cores

Vale dar uma olhada com atenção nas formas e nas cores. Se um objeto redondo, como o sol, está quadrado: o que isso significa? O que será que a(o) artista quis dizer ao transformar algo que todo mundo conhece em algo tão diferente?

Claro que a prova, normalmente, é em preto e branco. Mas você ainda consegue observar claro e escuro. O claro pode significar iluminação, divindade, pureza. O escuro, por oposição, pode simbolizar dúvida, medo, raiva, pecado.

Não é assinante?

Estude com a gente!

3. Personagens

Observe quem são as pessoas retratadas na obra. São homens ou mulheres? O foco é a beleza ou a feiura? São pessoas conhecidas, como santos ou deuses? O que as roupas e/ou acessórios podem dizer sobre o status socioeconômico dessas personagens?

Nem todas as obras de arte mostram pessoas, é claro. Mas isso também faz parte da característica de certos momentos históricos, justamente a falta de interesse no ser humano, ou o interesse maior no ambiente.

4. Cenário

Além das pessoas, observe também o local em que se encontram. É uma sala de um palácio ou um campo de trabalho? Uma cidade ou uma área rural?

Observe também o ponto de vista do artista: a ideia é valorizar o ambiente ou dar foco para as pessoas? Esse local é retratado como bom, importante, ou como ruim, sujo?

5. Contemporaneidade

Outra palavra grande para dizer algo bem curto: hoje. O que essa obra traz para você hoje? Pense em como você descreveria essa imagem da prova para alguém. É bonito ou esquisito? É agradável ou perturbador?

Vale destacar que muitos significados talvez pareçam não fazer sentido atualmente, já que valores e pensamentos mudam com o tempo. Então é preciso pensar fazendo o paralelo entre o que você vê hoje e o que a(o) artista viu/mostrou na época em que fez a obra.

Não é assinante?

Estude com a gente!

Vamos praticar?

Dizem que falar é fácil e fazer é difícil, Mas não é, não!

Tente aplicar essas dicas às obras a seguir. São peças famosas e que se conectam a períodos e pensamentos específicos. As respostas estão no final do post.

1.

Reprodução de "São Francisco de Assis em êxtase", de Caravaggio, mostra anjo branco vestido de túnica branca segurando o santo francisco, na tradicional veste marrom, caído ao chão

 

2.Reprodução de "Chuva, vapor e velocidade", de Turner, mostra trilho com trem a vapor ao longe, e no fundo a paisagem da cidade, em parte encoberta pelo vapor do trem

3.
Reprodução de "A liberdade liderando o povo", de Delacroix, mostra deusa Liberdade erguendo a bandeira francesa sobre corpos de soldados reais

4.Reprodução de "Bom dia, senhor Coubert". de Courbet, mostra dois homens burgueses, segurando cartolas e bengalas e cumprimentando um viajante de mochila às costas5.Reprodução de "A persistência da memória", de Dalí, mostra relógios derretidos, um sobre uma mesa e outro pendurado no galho de uma árvore seca

6. Reprodução de "Abaporu", de Tarsila do Amaral, mostra pessoa com braços e pernas propocionalmente maiores que a cabeça, sentada sobre uma relva com um cactus verde ao fundo e um sol geometricamente redondo ao alto

GABARITO:

  1. Barroco. Note o claro e o escuro, com motivos/personagens religiosos e bastante verossimilhança. “São Francisco de Assis em êxtase”, Caravaggio.
  2. Romantismo. Observe a presença da cidade, da máquina a vapor, retratando uma realidade idealizada. “Chuva, vapor e velocidade”, Turner.
  3. Romantismo. Note como os conflitos sociais estão no centro do cenário, com a Liberdade personificada, aludindo à Revolução Francesa. “A liberdade liderando o povo”, Delacroix.
  4. Realismo. Observe a verossimilhança que faz o quadro lembrar uma fotografia, com personagens utilizando roupas e acessórios que distinguem claramente uma classe social e um comportamento esperado. “Bom dia, senhor Coubert”. Courbet
  5. Modernismo. Note como o quadro traz elementos cotidianos em arranjo incomum, e como os relógios derretidos parecem dar concretude à noção abstrata do tempo. “A persistência da memória”, Dalí.
  6. Modernismo. Um dos quadros mais importantes do modernismo brasileiro, traz uma profusão de cores, além de elementos da paisagem brasileira, ao lado de uma desconstrução da métrica. “Abaporu”, Tarsila do Amaral.

Assine nosso Curso Completo

Opções de pagamento no cartão de crédito ou no boleto, em até 12x! Experimentar 7 dias