3 coisas sobre a crise na Grécia que podem cair no Enem

Que o assunto Grécia tem grandes chances de cair no seu vestibular, disso nós não temos dúvidas. Os gregos formaram uma das maiores civilizações da Antiguidade Clássica, e nós inclusive temos um ótimo resumo para você estudar aqui.

Este ano, no entanto, há um motivo que aumenta – e muito! – as chances de o tema ser cobrado: a crise que a Grécia atual, país com 11 milhões de habitantes, vive.

A crise financeira

A grande questão da Grécia é econômica – e não vem de hoje. Explicamos. Alguns países da Europa estão muito frágeis financeiramente nos últimos anos. Em 2008, uma grande crise que teve origem no mercado imobiliário dos Estados Unidos (se quiser saber mais sobre o assunto, tem um texto bem bacana aqui) deixou Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha em uma situação bastante delicada.

A Grécia, que não tem tradição industrial e depende basicamente do turismo e da agricultura, teve muita dificuldade para se reerguer nos anos seguintes.

Para piorar, o governo gastou muito mais do que podia, o que complicou muito a situação. Nesse ponto, o Enem pode até fazer uma relação com o Brasil. Publicamos aqui um texto sobre a situação econômica do nosso país este ano. Em menor escala, o Brasil gastou mais do que arrecadou em 2014, causando uma contração na economia em 2015 que deve chegar a 2%.

Movimentos sociais

Voltamos à Grécia. Para resolver o problema econômico, foi proposto um amplo enxugamento do Estado grego. O governo convocou em julho um plebiscito para a população dizer se aceitava ou não a pesada redução de custos que atingiria uma série de benefícios sociais.

Por conta disso, os gregos foram às urnas e disseram “não” a essas políticas austeras. A votação causou uma grande mobilização social e deu força aos movimentos populares, questões tratadas com bastante frequência no Enem.

A origem da democracia

Eis aí outra aposta quente para o Enem: como sabemos, a Grécia é considerada o berço da democracia. Votações já ocorriam na Antiguidade o tempo todo. No entanto, elas não eram exatamente iguais a esse plebiscito de julho. Na Grécia Antiga, o formato da democracia era extremamente excludente. Votavam apenas os cidadãos – e mulheres e estrangeiros, por exemplo, não eram considerados cidadãos. Fiquem de olho nessas diferenças!

Viu como o passado e o presente se cruzam o tempo todo? Por isso não perca tempo e comece a ler agora nossos resumos de História e nosso texto sobre a Grécia Antiga. Estão bem completos e vão deixar você bem mais preparado para a sua prova de vestibular.