Primeira Lei de Mendel sem dominância e casos especiais

Aula exclusiva para assinantes

Assine o Vestibular.com.br e tenha acesso ao melhor conteúdo para vestibulares e Enem.

Experimente 7 dias grátis

Exceções à primeira Lei de Mendel com dominância, os fenômenos de ausência de dominância se caracterizam justamente por alteração na proporção fenotípica, ou seja, não se obtém a proporção esperada de 3:1 (três dominantes, um recessivo). Tanto no caso de dominância incompleta quanto no caso de codominância, a proporção fenotípica obtida é de 1:2:1, mas tais casos se diferem na medida em que na dominância incompleta o heterozigoto manifesta um terceiro fenótipo em relação aos dois dos pais, enquanto na codominância o heterozigoto apresenta ao mesmo tempo os fenótipos do pai e da mãe.

Há ainda os casos especiais de genes letais e pleiotropia. No caso de genes letais, a dose dupla (homozigoto) do dominante leva à morte, obtendo-se, consequentemente, uma proporção fenotípica de apenas 2:1. Já no caso de pleiotropia um único par de genes acarreta alterações em mais de uma característica, ocorrendo o chamado efeito cascata.