Período Entreguerras

Aula exclusiva para assinantes

Assine o Vestibular.com.br e tenha acesso ao melhor conteúdo para vestibulares e Enem.

Experimente 7 dias grátis

Entre 1918 e 1939, destacam-se os Estados Unidos e os totalitarismos. O EUA se tornaram a grande potência econômica do mundo, baseada no consumismo do chamado “American way of life”. O crescimento foi concentrado na bolsa de valores de Nova York, o que levou a um processo de valorização artificial. Na chamada “quinta-feira negra”, a bolsa quebrou, o que levou à Crise de 1929. Com a crise do liberalismo, F. D. Roosevelt, eleito presidente em 1932, passa a adotar os ideais keynesianos, que defendiam que o Estado deveria ajudar no desenvolvimento econômico, em um movimento que ficou conhecido como “new deal”. Na Europa, surgem regimes os regimes totalitaristas anticomunistas e antiliberais (não anticapitalistas), com defesa de Estado “forte”, corporativista e ultranacionalista: fascismo de Mussolini na Itália, a partir de 1922; o Salazarismo de Salazar em Portugal, a partir de 1932; o nazismo de Hitler a partir de 1933; e o Franquismo de Franco na Espanha, a partir de 1937 (que levou à Guerra Civil Espanhola). Atenção: o antissemitismo é característico apenas do nazismo. A Guerra Civil Espanhola também ficou conhecida como “ensaio geral da Guerra”, já que Hitler ajudou Franco. O bombardeio da região espanhola de Guernica, registrada no quadro de mesmo nome de Pablo Picasso, foi uma das ações icônicas do conflito.