Ligações covalentes ou moleculares

Aula exclusiva para assinantes

Assine o Vestibular.com.br e tenha acesso ao melhor conteúdo para vestibulares e Enem.

Experimente 7 dias grátis

Segundo a Teoria do Octeto, desenvolvida por Lewis e Kossel no ano de 1916, os átomos adquirem estabilidade eletrônica com oito elétrons na última camada (camada de valência), motivo pelo qual, excetuados os gases nobres, que possuem essa última camada completa, os elementos químicos tendem a se unir a outros em busca de estabilidade.

Diferentemente das ligações iônicas ou eletrovalentes, que ocorrem através da transferência de elétrons de um átomo para outro, as ligações covalentes ou moleculares são caracterizadas pelo compartilhamento de elétrons, sendo que os elétrons compartilhados transitam pela eletrosfera dos dois átomos, contribuindo para a formação do octeto em ambos.

Esse tipo de ligação é comum entre os elementos da família 4A, os quais, para fazer ligações iônicas, precisariam doar ou receber um número muito elevado de elétrons. Ocorre também entre elementos de outras famílias, geralmente ametálicos.

Para a representação das ligações covalentes, utilizam-se traços para indicar os pares de elétrons compartilhados, podendo haver ou não indicação dos elétrons não compartilhados (fórmulas eletrônica e estrutural, respectivamente). Veja, abaixo, como são feitas as representações eletrônica e estrutural da molécula de água (H2O):

7 fórmulas eletrônica e estrutural

Quando há compartilhamento de apenas um par de elétrons, tem-se uma ligação covalente simples ou ligação sigma (σ). No caso de os átomos compartilharem dois pares de elétrons (ligação covalente dupla), formar-se-á uma ligação sigma e uma ligação pi (π). Já no compartilhamento de três pares de elétrons haverá uma ligação sigma e duas ligações pi.

7 ligações sigma e pi

Em regra, o par de elétrons compartilhado é formado por um elétron de cada átomo. Há casos, porém, em que ambos os elétrons pertencem originalmente a um mesmo átomo, que já está com o seu octeto completo. Tem-se, neste caso, o que se costumava chamar de ligação covalente dativa ou coordenada (nomenclatura antiga, mas que ainda pode ser cobrada), hoje chamada simplesmente de ligação covalente.

Antigamente, esse tipo de ligação era representado através de uma seta no sentido do átomo que cede o par de elétrons para o átomo que o recebe. Hoje, porém, utiliza-se simplesmente um traço, como em qualquer ligação covalente.

7 ligação dativa