Aula exclusiva para assinantes

Assine o Vestibular.com.br e tenha acesso ao melhor conteúdo para vestibulares e Enem.

Experimente 7 dias grátis

Segundo Arrhenius, ácidos são substâncias que sofrem ionização em solução aquosa, liberando como cátion (íon positivo) somente o íon hidrogênio (H+). Na realidade, embora a água seja normalmente omitida na reação, ela reage com esse íon, de forma que o cátion liberado ao final do processo, na prática, é o H3O+.

Os ácidos que não apresentam oxigênio em sua composição são denominados hidrácidos, cuja nomenclatura é composta da seguinte maneira:

Ácido + Nome do elemento que se liga ao hidrogênio + ídrico

O ácido H2S, por exemplo, é denominado ácido sulfídrico; o ácido HCl, ácido clorídrico; o ácido HI, ácido iodídrico; e assim por diante.

ácidos

O ácido clorídrico é um dos hidrácidos mais conhecidos

Já os ácidos que possuem oxigênio em sua composição são denominados oxiácidos, e sua nomenclatura é mais variada. O nome do ácido padrão de cada família termina com o sufixo “ico”, conforme indicado abaixo:

  • H2CO3 (família 14): Ácido carbônico
  • HNO3 (família 15): Ácido nítrico
  • H3PO4 (família 15): Ácido fosfórico
  • H2SO4 (família 16): Ácido sulfúrico
  • HClO3 (família 17): Ácido clórico

À nomenclatura do ácido padrão pode ser acrescentado o prefixo “orto”, o qual, no entanto, geralmente é omitido.

A partir do ácido padrão de cada família pode-se determinar o nome dos outros ácidos com a utilização das seguintes regras:

  • 1 átomo de oxigênio a mais que o ácido padrão: Adiciona-se o prefixo “per” (HClO4, por exemplo, é denominado ácido perclórico);
  • 1 átomo de oxigênio a menos que o ácido padrão: Substitui-se o sufixo “ico” pelo sufixo “oso” (H2ClO2, por exemplo, é denominado ácido cloroso);
  • 2 átomos de oxigênio a menos que o ácido padrão: Adiciona-se o prefixo “hipo” e substitui-se o sufixo “ico” pelo sufixo “oso (HClO, por exemplo, é denominado ácido hipocloroso).

Classificação dos ácidos

Os ácidos podem ser classificados segundo diferentes critérios. O primeiro deles, como visto acima, está relacionado à presença ou não de oxigênio em sua composição – os ácidos que não possuem oxigênio em sua composição são denominados hidrácidos, enquanto aqueles que o possuem são denominados oxiácidos.

Outro critério utilizado para a classificação dos ácidos é o número de hidrogênios ionizáveis por molécula, ou seja, o número de íons H+ liberados por molécula com a ionização. Sob esse aspecto, o ácido pode ser classificado em monoácido (possui um hidrogênio ionizável), diácido (dois hidrogênios ionizáveis) ou triácido (três hidrogênios ionizáveis).

Nos hidrácidos, todos os hidrogênios da molécula são ionizáveis. Já nos oxiácidos são ionizáveis somente os átomos de hidrogênio diretamente ligados ao oxigênio – logo, somente estes devem ser considerados para fins desta classificação.

Os ácidos podem ser classificados, ainda, quanto ao grau de ionização (α), consistindo este na relação entre o número de moléculas ionizadas e o número total de moléculas dissolvidas – quanto maior o grau de ionização, mais forte será o ácido e melhor será a condutibilidade elétrica. Ácidos com grau de ionização igual ou superior a 50% são considerados fortes; aqueles com grau de ionização entre 5% e 50% são considerados semifortes ou moderados; e aqueles com grau de ionização igual ou inferior a 5% são considerados fracos.

No caso dos oxiácidos, a força pode ser determinada a partir da diferença, por molécula, entre o número de átomos de oxigênio e o número de átomos de hidrogênio ionizáveis. Em regra, quando essa diferença for de 2 ou 3, o ácido será forte (ex: HClO4); quando for de apenas 1, o ácido será semiforte ou moderado (ex: H3PO4); e se o número de oxigênios e hidrogênios ionizáveis for exatamente o mesmo, o ácido será fraco (ex: HClO).